Arquivo mensal: fevereiro 2013

Teaser exclusivo para o Metal Busted! e com chamada para o show no Brasil

Metal Ground

380735_10152343431105161_653481197_n

Está chegando ! Nos dias 9 e 10 de março os suecos do Crashdïet tocam pela terceira vez no Brasil, respectivamente no Rio de Janeiro e São Paulo. Mas com exclusividade para vocês que acompanham o nosso canal, o Metal Busted traz uma entrevista com o baterista da banda, Eric Young.

Gravada diretamente do backstage da banda durante dois shows em Helsinki na Finlândia, o músico fala sobre suas expectativas da mini-tour, projetos do Crashdïet, novidades, clipes e muito mais. Confiram o recado que o baterista mandou para os fãs brasileiros, e aguarde a entrevista completa, só aqui no Metal Busted!

https://vimeo.com/60599529

Ver o post original

Anúncios

Agnostic Front – Banda skinhead no começo da década de 80

Agnostic Front

“A região da cidade de Nova York tinha a maior – ou pelo menos a mais visível e influente – cena skinhead dos EUA durante o período 1984-88. As bandas que vieram de Nova York eram compostas, na maioria, de skins pouco originais, carecas, glorificadores da violência com políticas reacionárias. Faltavam-lhes os hinos melodiosos cantados em uníssono por seus correspondentes ingleses, que foram substituídos por uma espécie de thrash desafinado. Eles não eram nazistas*, mas certamente não partilhavam da política radical dos punks. A maior banda skinhead norte-americana foi a Agnostic Front, de Nova York. Muitas outras bandas skinheads foram influenciadas por suas letras e músicas desde 1982.” (O’HARA,  Craig. 2005, p.59-60)

Trecho retirado do livro “A filosofia do punk: mais do que barulho” de Craig O’Hara.

A filosofia do punk_Craig O'Hara

A filosofia do punk_Craig O’Hara

*nem todo grupo skinhead era nazista, principalmente no começo.

Inicialmente a banda era composta exclusivamente por membros skinheads, posteriormente a banda foi mudando mas ainda mantinha membros pertencentes ao grupo.  [ver mais]

“Your Mistake” é faixa do “Victim in Pain”, álbum de estreia da banda, lançado em 1984 pela Rat Cage Recors.

“Gotta Go” é o segundo vídeo oficial da banda já em 1998, no entanto é possível notar ainda alguns traços skinheds.

“This Is England” e as contradições dos grupos skinheads

Shaun e o grupo

Shaun e o grupo

*Contém spoilers

O filme se passa numa cidade do interior da Inglaterra em 1983 onde Shaun, um garoto de 12 anos que não consegue se adaptar, cujo pai fora para a guerra (em Falklands, Ilhas Malvinas) e nunca retornou, é convidado a fazer parte de um grupo de skinheads. Mas bem diferentes dos skinheads retratados por American History X (A Outra História Americana, 1998) por exemplo, que corrobora boa parte das generalizações sobre o movimento, o grupo em que Shaun é acolhido partilha de uma ideia mais alinhada aos skinheads “originais”, da década de 60, de jovens de origem na classe trabalhadora que simpatizavam com os “mods” e os “rude boys” jamaicanos, o que explica boa parte da trilha sonora no filme ser composta principalmente por bandas de ska, reggae e rocksteady.


Mods, jovens do pós guerra dotados de certo poder aquisitivo, eram bem vindos em clubes de reggae em Londres, onde descobriram não apenas o ska mas como os componentes chaves que definiram o verdadeiro visual skinhead. A classe trabalhadora jovem branca e negra que vinham de estaleiros e fábricas formou um tipo particular de identidade inglesa com suspensórios, camisas de botão, botas/coturnos, cabeças raspadas e estilo militar. Não havia “paz e amor”, a vida era dura e a aparência rude e atlética, como a de um lutador, era como eles expressavam isso. As cabeças raspadas eram também como uma afronta a essa “ideia hippie”, da classe média próspera e bem sucedida.

American History X, skins políticos radicias.

American History X, skins políticos radicias.

Mas em 1983, época em que se passa o filme, o movimento skinhead já havia se dividido em diferentes grupos com ideias diferentes, alguns deles de extrema direita, nacionalistas, que além da xenofobia eram estritamente racistas. Esse conflito entra em cena quando um skinhead mais velho, adepto a essas ideias mais radicais, retorna ao grupo depois de cumprir sentença e pressiona o líder Woody a se posicionar politicamente, o que provoca uma divisão e uma tensão no grupo. Shaun fica então do lado de Combo e passa a presenciar atos de vandalismo, intimidação e demonstração gratuita de força por parte desses skinheads.

American History X

American History X

Como em American History X as coisas não terminam bem e o personagem principal, após o trauma, abandona o movimento, mas no caso de Shaun talvez não tarde demais. Vale ressaltar que o diretor do filme Shane Meadows fez parte desse movimento nesse mesmo período na Inglaterra e o filme é meio que uma autobiografia sua. This Is England é um ótimo exemplo para mostrar como uma cultura (ou subcultura) juvenil que surgiu na década de 60 pode ser reapropriada de diferentes maneiras. Já na década de 70, e a partir dela, ao se juntar ao punk inaugura novas visões e possibilidades, daí saem o “Oi!”, o “RAC” e o “hatecore”, mas isso fica para um próximo post.

The Specials – Do the Dog

Trilha sonora, muito bem pesquisada e construída.

“54–46 Was My Number” – Toots & The Maytals
“Come On Eileen” – Dexys Midnight Runners
“Tainted Love” – Soft Cell
“Underpass/Flares” – Film dialogue
“Nicole (Instrumental)” – Gravenhurst
“Cynth / Dad” – Film dialogue
“Morning Sun” – Al Barry & The Cimarons
“Shoe Shop” – Film dialogue
“Louie Louie” – Toots & The Maytals
“Pressure Drop” – Toots & The Maytals

Veja mais

This_is_england_film_poster

“This Is England”, Setembro de 2006

Direção: Shane Meadows

Atore:

Thomas Turgoose (Shaun)
Joe Gilgun
Andrew Shim
Vicky McClure
Stephen Graham
Rosamund Hanson

Por: Natália Ribeiro

%d blogueiros gostam disto: