Arquivo mensal: fevereiro 2011

Debate: Locutor 0, Lobão 10

Não sou dessas pessoas que tira o chapéu pra tudo que o Lobão diz ou faz, mesmo o cara estando no centro do furacão do que foi o rock no Brasil nas décadas de 80 e 90, isso nunca me impediu de relevar algumas de suas ideias, mas nesse programa de rádio ele arrasou.
Foi prato cheio para seus ataques…
O locutor também parece ser daqueles que assiste muita MTV. O cara chamou o KISS que “palhacinhos”, sem saber o que aquilo quis dizer naquela época. Sem comentários, ouve aí…

Anúncios

Nos Tempos do Garage, post especial

Fiquei muito feliz quando Wagner Carvalho, companheiro na luta pelo underground, baixista na banda Profane Art, locutor e “resenhista” da webradio Metal Militia, aceitou o meu convite de compartilhar aqui no Rockalogy, um pouco de sua história, nos contando como que era “nos tempos do Garage”.

Há tempos venho querendo falar sobre esse assunto, mas esbarrei no grande problema que é a falta de fontes. Eu não estive a oportunidade de estar lá, e muita gente também não, a galera mais nova, gente de outros lugares por exemplo, no entanto, praticamente todo mundo já ouviu falar, então nada melhor do que alguém que viveu esse momento para compartilhar conosco o que foi esse “fenômeno”, esse “momento histórico”, do underground carioca.

Natália RR

Nos Tempos do Garage
Inaugurada com o nome de Garage Art Cult em 1987, para a exibição de vídeos, a casa passou a realizar shows no início dos anos 90, sendo o quartel general de toda uma geração de fãs de música alternativa, rock e metal em todas as suas vertentes.
Situado na Rua Ceará, o Garage (hoje inativo) funcionava na antiga sede do MOTOCLUBE BRASIL e era considerada “a Meca do underground carioca”, segundo Tom Leão, numa matéria escrita para o Rio Fanzine em 1991. Foi a primeira vez que li sobre o lugar que abrigou shows de bandas então iniciantes, hoje algumas delas aclamadas pelo público e a crítica, e outras excelentes, mas que assim como a casa encontram-se extintas.
Em um tempo em que o Metal era muito mais discriminado que atualmente e não havia Internet, o palco do Garage, foi muito disputado, já que eram poucas as casas que abriam espaço para shows de bandas de metal, hardcore e os mais diferentes e estranhos estilos musicais da época.
Por conta da escassez de espaços e meios de divulgação, formou-se na época, a Associação de Bandas do Garage, com constantes reuniões para a organização de shows em parceria com as bandas, essa iniciativa inclusive conquistou espaço no programa 24horas, da também extinta TV Manchete.
Durante seus vários ciclos de atividade sob o comando do “Fábio do Garage”, a casa agitou a cena underground dos anos 90 em todos os sentidos, tornando-se um celeiro da cultura underground, com venda de zines, demos, camisas e afins. Passaram pelo saudoso Garage bandas nacionais de diferentes estilos, de Dorsal Atlântica a Planet Hemp, de Murder Rape a Zumbi do Mato, além de estrangeiras, de Exodus a Agnostic Front, sempre com momentos inesquecíveis para seus freqüentadores.
Hoje muita gente chama a Rua Ceará de Garage, muitos nem ao menos sabem o porquê, outros por hábito, já que após tantas idas e vindas, além da lembrança, a esperança continua viva. É como se algum dia, a qualquer momento o Garage pudesse voltar a ativa.
Mesmo hoje com tantas casas, acho que o Garage deveria iniciar um novo ciclo de atividades, pela sua importância histórica para o underground e também por ter sido a incubadora do metal extremo no Rio de Janeiro.
Espero que gostem, boa leitura…

Dedicado a todos aqueles que mantém a cena viva!

Wagner Carvalho
http://www.wagnercarvalho.tk/
http://www.metalmilitia.com.br/
http://www.cultcircuito.com.br/

Movimento Underground Carioca

O MUC é um projeto ainda em fase inicial, mas que promete mudar a forma como o underground carioca tem sido organizado. A proposta principal é bem simples, a de unir as bandas do underground, e o objetivo é fazer com que as bandas consigam se manter na ativa e que por conta própria alcancem objetivos mais altos, nesse sentido o MUC funcionará como um suporte.
A idéia em si já existe a muito tempo, todos que possuem um envolvimento maior com a cena já sabem que a união é a melhor saída, porém, um esforço maior para que tudo saísse do plano das idéias a entrasse no campo das ações nunca foi tentado de forma efetiva. Tendo em vista o meu trabalho com o Rockalogy, que tem como objeto de estudo “o underground”, eu sempre pensei numa forma de agir de fato na cena, sempre pensei numa forma de interferir de uma forma positiva.
Mas um projeto com tamanha proporção como esse, não poderia ficar a cargo de apenas uma pessoa, foi numa parceria com a Cíntia Ventania, que já tinha idéias muito parecidas com as minhas, que encontramos apoio para darmos partida nos nossos planos para a cena underground.
Para tudo dar certo nós vamos precisar ainda de muito mais apoio, apoio das bandas, do público, de uma forma geral, das pessoas ativas na cena, e que querem lutar por um bem maior e coletivo, em nome da música em primeiro lugar.
Rockalogy e MUC mais do que parceiros são irmão, e estão juntos na luta. O que eu desejo para essa nova empreitada é muita força e energia positiva, que tudo dê certo e que o nosso underground seja reconhecido como exemplar, que muitas bandas decolem e muitas bandas floresçam na nossa cena.
Long Live Rock’ n’Roll
Sigam, comentem, espalhem
Natália RR
%d blogueiros gostam disto: